Mensagens

A mostrar mensagens de Fevereiro, 2007

Arrivederci

Imagem
Início e fim. As pontas do ciclo da vida e de todos os semi-ciclos que o compõem, desde o início de um bocejo até o lábio superior se voltar a encontrar com o debaixo, e desde a sua separação até ao fim de um beijo.
Desde sempre e até sempre, porque sempre é a única coisa que escapa ao começo sem nunca deslizar no fim.
E naquela semana cruzaram-se as duas pontas num laço, comigo a começar as aulas da faculdade, e com os belgas a acabarem os exames para o regresso a casa.

Algo estranho se passa com as faculdades de Ciências Humanas e Sociais, ou Filosofia e Letras que é a correspondente aqui em Itália. Seja como for, se na Avenida de Berna temos as urgências do Hospital Curry e Cabral mesmo ali nas traseiras do quintal, a Faculdade degli Studi di Siena não faz por menos, e tem o departamento de CC instalado no Hospital Psiquiátrico.
No meu primeiro dia de aulas, altura em que nem fazia a mais pálida ideia de onde era a minha faculdade, as coisas começaram a correr bem, tão bem que parecia …

Martedi Grasso e dopo a Firenze

Imagem
O contraditório do progresso é algo extremamente irritante: quantas vezes os carros, feitos para nos deslocarmos mais rapidamente, não nos obrigam a ficar parados, num não deslocamento mais lento que um caracol! E a luz quando falta que parece que a nossa vida entra em curto-circuito! E como não podia deixar de ser, o bendito computador, que tantas vezes encrava, sem como nem porquê, ou pura e simplesmente se recusa a fazer o que é suposto fazer, sem como nem porquê na mesma!
É pois um problema técnico computacional, que me tem impedido de postar com a devida regularidade, pelo que peço desde já desculpa. E aproveito para agradecer ao salvador da Dolce Vita: Rui, Rui para os amigos, Rui para os pais, Rui para a namorada, Rui e apenas Rui, obrigado!
E enquanto os computadores se engasgam com o software a vida aqui em Erasmus passa tão rápido que nem dá tempo para soluçar!
As beibes já vieram e já foram. Como nestas bandas o Carnaval é o mês todo, elas foram a Roma, eu fui a Veneza, mas me…

Carnevale a Venezia

Imagem
O Carnaval de Veneza, uma viagem de regresso aos sécs. XVII e XVIII, onde desfilam os mais sumptuosos vestidos de baile, acompanhados por cavalheiros de chapéu e peruca branca. As máscaras mais famosas do mundo flutuam por entre a multidão, pousando para as fotografias, ao som de uma e outra valsa.
Ma come è bello il Carnevale di Venezia!

A primeira meia hora foi passada de uma maneira muito original, em busca do McDonalds de Veneza, que a propósito não é tão bom como os de Portugal. A máscara, comprei-a mal pus os pés em terra, erro crasso, porque depois encontrei outras idênticas por menos 5 euros.
O resto do dia foi passado num tentativa inglória de deambular por entre as ruas apertadas de Veneza e respectivas pontes. O tráfego humano era de tal maneira intenso, que havia polícia de trânsito para os peões na travessia das pontes. Até conseguirmos chegar à Piazza San Marco, ficámos parados em pelo menos 3 engarrafamentos, e quando digo parados não é hipérbole, quando muito será eufemis…

La casa di Giulietta

Imagem
Em todo o mundo existem adolescentes em crise. Mas uma adolescente em crise em Siena, que decida fugir de casa, vai ver a sua vida extremamente dificultada com o carregar das bagagens pelas encostas em jeito de terramoto, da cidade-castelo. Esta era a ideia que corria pelos meus pensamentos, ainda adormecidos, enquanto eu e a Vanessa levávamos as malas, abrindo o dia de Siena às 6.30 da manhã.
A viagem seria longa, Verona-Veneza-Pádova em 3 dias e duas noites. Mas iria valer a pena o esforço.
A partida marcada para as 7 só arrancou já perto das 8. Creio que tenha sido para nos ambientarmos desde cedo (e digo cedo literalmente) aos atrasos que se viriam a revelar uma constante da minha primeira grande viagem em Itália!
A acção começa em Verona, primeira paragem da nossa “gita” de Carnaval (porque aqui o Carnaval é o mês inteiro). Para quem não sabe Verona é o pano de fundo daquela tal peça, daquele autor que foi, sim, acho que é isso…
Então, depois de almoçarmos, de vermos a arena e o Cas…

San Valentino

Imagem
L’amore, l’amore!
O amor é tão importante como as árvores e os não fumadores, por isso, tal como eles, também tem um dia próprio.
As montras começam a encher-se de corações encarnados praticamente um mês antes do dia 14 de Fevereiro, e todos os tipos de produtos se desenvolvem num “mise en abîme” de edições especiais para o dia dos namorados.
Mas é exactamente quando parece que o sistema capitalista engoliu os versos mais bonitos do sentimento humano, que as coisas mágicas acontecem…

Saí da aula de italiano no intervalo e segui Siena a fora, perguntando pelo Restaurante Chiacherare, tal como os jornalistas na baixa de Lisboa, a recolher informações para as sondagens. Depois dos primeiros 3 inquiridos não serem de Siena, a esperança começou a desvanecer, minguando a cada inquérito que passava. Foi então que achei ter encontrado o homem da minha vida: loiro, alto, de olhos azuis, aparentemente italiano, mas tenho as minhas dúvidas, e com as palavras que eu mais queria ouvir: “ah non è Chiac…

Balanço semanal

Imagem
O tempo, esse passar sem hora certa onde inscrevemos as nossas vidas. Agregado de momentos flutuantes e imparáveis, contados em vão, porque já passaram e sempre passarão, sem limites de velocidade… Assim, parece que foi ontem que cheguei a Siena, e na verdade faz já uma semana. É então altura de marcar um ponto na situação.
Sete dias depois eu e as minhas colegas de casa continuamos as 3 vivas e a casa mantém-se sem danos visíveis. Na verdade, formamos as 3 um casal bastante perfeito, e a divisão da cozinha e da casa de banho, estende-se pela divisão de sorrisos e estórias e como não podia deixar de ser, muita fofoca!
Além da casa o nosso corrente projecto em parceria é a elaboração de um código de comunicação de modo a podermos transmitir mensagens sem que as pessoas em voltam se apercebam. O código destina-se à generalidade das mensagens, mas sobretudo a pedidos de socorro quando os polvos atacam!
Eis uma coisa que ainda não tinha passado uma semana e eu já sabia: a tentativa de conqui…

Curso de Italiano

Imagem
Quando se chega sozinho a um pais desconhecido é sempre confortavel encontrar alguns pontos familiares. Sabe sempre bem ouvir alguém que fala a nossa lingua, sabe sempre bem reconhecer lojas e restaurantes como a Benetton e o McDonalds, sabe sempre bem ver um programa de televisao que é igual aquele do Rui Unas e das malas com dinheiro, e sobretudo, sabe sempre bem ver no rosto da professora do curso de italiano, a cara da mae do nosso ex-namorado! (Ou entao nao...)
Depois de varias peripécias matinais em que por duas vezes me dirigi as 8.30 a faculdade para ingressar no curso de italiano, na terceira ida foi de vez, e eis que ao entrar na sala 7C me deparo entao com essa "cara familiar"! Agora vejo-a todos os dias das duas as 6 até ao fim do mes.
Mas ha mais coisas estranhas a passarem-se no meu curso de italiano: no primeiro dia o meu colega do lado era um bailarino esloveno que vestia uma t-shirt com as cores da nossa selecçao e a bandeira de Portugal, sobre a qual se podia…

Pantafolle

Imagem
Parecendo que não, viver num país onde os serviços são o pânico, desde as imensas burocracias até à comida das cantinas, pode ter o seu lado positivo: quando chegamos a um outro país já estamos habituados ao que é mau, e o que é normal parece-nos óptimo!!!
Por isso é que os turistas provenientes dos países ditos de terceiro mundo, e daqueles que não se dizendo também o são (como é o caso do nosso belo Portugal), são sempre os que registam uma maior taxa de sorrisos por índice de satisfação! (Se este indicador não constar no INE é falha deles).
Por cá pagam-se os mesmos dois euros que na cantina dos pobres da FCSH, mas enquanto que nesta segunda se pode apenas escolher entre hamburguers de tofu e alheiras com ovos, na cantina da faculdade de Siena, que aliás tem duas cantinas, existem pizzas, pastas, grelhados, variados e sabores do mundo!!!
Hoje até havia uma pizza com um ovo estrelado la metido! (E felizmente aqui ninguém sabe o que são alheiras!)
Por outro lado os uficios italianos não …

Via Casato di Sopra nr 6

Imagem
Quando estamos felizes perdemos um pouco a dimensão das coisas: achamos as pequenas coisas 1 máximo, como 2 italianos já "ubriacos", um de Pisa a discutir com um de Livorno (algo do tipo Faro-Olhão mas com mais charme), e nem as grandes chatices como ter de carregar pelas escadas, 4 andares acima e abaixo, 3 malas com 40kg no total, nos chateiam.
Não digo que tenha sido agradável, sobretudo porque de casa até à estação as pessoas na rua nem se desviavam.
Mas em compensação, as pessoas no comboio e na Estação de Empoli foram muito simpáticas.
O percurso parecia simples: Pisa - Siena de comboio, em Siena chegar à via Casato di Sopra nr 6. Contudo, surgiram alguns pormenores imprevistos:


Problema nr 1 - ter de carregar sozinha as 3 malas supramencionadas. Até à estação de Pisa contei com a ajdua da minha madrinha, mas a partir daí estava "veramente sola".

Problema nr 2 - Não é possível levar as 3 malas em simultaneo pelos corredores do comboio, que são demasiados estreito…

Pizza em Pisa

Imagem
Todos os dias vemos as mesmas pessoas, nos mesmos sitios (e nalguns casos menos polidos com as mesmas roupas). Estamos de tal forma inseridos nestas nossas realidades sistémicas que todas as outras nos passam ao lado. O avião aterrou em Pisa 45 minutos antes do previsto, aterrou não é bem o termo porque devem ter ficado sulcos na pista.
Tirando então essa aterragem. o único precalso da viagem foram os 150€ de excesso de bagagem. Podemos pagar até mais 6 malas mas nunca pdoemos levar mais de 15kg no total. Paguei duas malas pensando o contrário, pois pareceu-me 1 pouco ridícula a ideia de levar 6 mlas de viagem com 2kg de cada. Estava enganada!!!
A viagem em si foi rápida e agardável, sempre na conversa com duas mafiosas, pelo menos de sangue, que é o que se diz das pessoas da Sicília.
A melhor madrinha do mundo (que é a minha) foi buscár-me ao aeroporto e logo nessa noite levou-me à Praça Garibaldi e arredores, uma espécie de Bairro Alto em ponto pequeno ou Sé em ponto maior (para quem é…

Jantar do Ciao

Imagem
Se há uma coisa que as pessoas não gostam, e com razão, é de pagar para serem mal servidas.
Entenda-se, ir a um restaurante e ter de comer à vez, numa coreografia meitculosamente articulada com o vizinho do lado. Não conseguir comer a carne porque está dura. Pedir mais comida e bebida (que pagámos à descrição) e dizerem-nos sem réstia de simpatia que já não há, enquanto passam travessas para a mesa do lado. Termos de ser nós a servir os cafés e as sobremesas aos nossos convidados, sem direito a qualquer tipo de remuneração. Ir à casa de banho das senhoras, encontrá-la embebida em bolo alimentar expelido por outrem, alertar o responsável para situação e receber como resposta um pouco atencioso "Vai à dos homens".
Mas enquanto algumas pessoas saiem do restaurante e levam a sua resignação consigo, nós decidimos deixar a nossa resignação no restaurante e pedimos o livro de reclamações.
Um pedido que se revelou tão poderoso como o próprio abracadabra, pois veio logo a simpatia que e…

As saudades são como as surpresas, vêm de onde menos se espera

Dizer que só damos valor às coisas quando as perdemos é cliché e os clichés são mal vistos, porque têm vazios de personalidade.
Mas o que são os clichés se não uma constante transmissão de experiência (como diria o professor de Discurso)?
Se há uma semana atrás me dissessem que ia ter saudades do que quer que fosse daquela faculdade, eu não acreditava.
Entretanto mudei de ideias.
Lembrei-me que não temos encontro marcado, senti a ameaça do nunca mais e apercebi-me que há pelo menos uma coisa daquela faculdade de que vou ter saudades...
Porque enquanto as outras pessoas já desistiram de ler o post na parte da transmissão de experiência, vocês perceberam e continuaram. Aliás, só vocês conseguem ver o livro com janelas de vidro e o pássaro de asas abertas à entrada da faculdade.
E se eu disser que também lá temos um galo, de carne e penas, vocês confirmam que é verdade.
Só nós conhecemos o espírito árduo de estudo que escoa pela faculdade, porque estivemos lá às 8 da manhã e vimos os despojos d…