Mensagens

A mostrar mensagens de Agosto, 2008

Dieta de Campeão - a moda deste verão

De repente, da noite para o dia, Phelps deixou de ser um nome estranho para passar a ser o nome mais mediático da imprensa em todo o mundo. Dissecaram-lhe todas as medidas, proporções e pelinhos das pernas.
Eu partilho com vocês a dieta do maior medalhista da edição chinesa dos JO. Este ano, nada de dietas milagrosas para caber decentemente no biquini, afinal se uma pessoa vai entrar em mood de masoquismo alimentar, tem de ser uma coisa com garantias e resultados comprovados!

Dieta de ouro*: 12.000 calorias

Pequeno almoço:
- 3 sandes com queijo e tomate barradas com maionese
- 3 panquecas com chocolate
- uma taça de cereais
- 3 rabanadas
- café q.b
- leite q.b

Almoço (caso tenha sobrevivido ao pequeno-almoço):
- um prato de pasta reforçado
- + sandes com maionese
- bebida refrigerante calórica

Jantar (caso ainda não lhe estejam a fazer uma lavagem ao estômago):
- Um prato de pasta reforçado
- Uma pizza grande
- Bebida refrigerante calórica

Bon apetit!

*A informação foi retirada de orgãos de comunicaçã…

A China fez batota!

É destaque em todos os jornais: a cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos foi manipulada. O fogo de artifício foi pré-gravado e a criança cantava em playback. Dito assim nem parece o escândalo que na verdade é.Porque é prepotentemente escandaloso achar que ninguém, no mundo inteiro, se ia aperceber que as imagens dos fogos não eram “live”.
Mas muito pior que isso é a questão do playback. Não pelo playback em si, até o Pvarotti em algum momento deve ter feito palyback, e portanto seria totalmente aceitável numa criança. O que não é aceitável é que o partido comunista chinês diga que a corista principal não é suficientemente bonita para representar o país. O que não é aceitável, é que uma criança que canta lindamente seja substituída por outra porque tem a “cara redonda de mais” e os “dentes desalinhados”! Por amor de Deus! Como se alguém fosse criticar uma criança por lhe estarem a nascer os dentes! Como se alguém fosse tirar mérito à China por aquela voz perfeita não corresponder a …

“Sonho” de uma noite de Verão

Imagem
Estilo: Drama/com

Sinópse: 4 amigos que se encontram na noite Lisboeta e tentam descobrir se o DJ, que não tem cara de DJ, estuda informática ou engenharia. Durante a saga, são confrontados com algumas vicissitudes como gangs infanto-juvenis no primeiro comboio da manhã ou pessoas aprumadas a irem trabalhar, deixando atrás de si um rastro de remorso.



Personagens: Ale, Sonus, Margarida e Enes

Cenário: Lisboa: Bairro Alto – Tertúlia; Kubo; fila do Caldo Verde; Roulotte mais execrável de toda a 24 de Julho.

Acessórios: Sapatos de salto/plataforma; sangria; morangosca; shot “morte-certa” (bem ou mal, sobrevivemos todos).



Banda sonora: mega hits dos 90’s/Espanhola – Asereje; Macarena; Ricky Martin; Bamboleo; disco contemporânea; pa ra pa pa pa pa pa, afinal não, foi só para enganar!

Falas:

Figurante 101: “As vossas malas são uma fogueira”
- enquanto diz isto tenta, com dificuldade, aguentar-se em pé, com os braços esticados e as mãos estendidas sobre as nossas malas, simulando um aquecimento, …

##%&$##***+!!!

Toda a gente tem um talento especial. O meu, é criar no quotidiano da minha vida situações daquelas que “essas coisas só te acontecem a ti”, a mim, no caso.

Ontem ao almoço eu, que nunca como choco frito, decidi comer choco frito. Com molho “rosé”. O maldito do choco frito parecia pedra pomes frita (não que eu já tenha degustado, mas imagino que seja dura). Foi então um momento de grande embaraço, quando as severas investidas da faca resultaram numa expelir de choco frito com molho “rosé”, diante dos olhos da minha chefe e do meu coordenador. Agrava o facto do meu local de trabalho ser bastante formal, daqueles em que não se pode usar calças de ganga, ténis nem chinelos e do choco frito, armado em Neil Armstrong, ter embatido no meu top de seda antes de aterrar, derrapando o molho rosé num caminho de manchas sem saída.
Bom, sejamos optimistas, era consideravelmente pior se o choco frito tivesse aterrado no prato/colo da minha chefe ou do meu coordenador!
Passei o resto dia de braços c…

Contas à vida

“Cuánto vive el hombre, por fin?
Vive mil años o un ano solo?
Vive una semana o varios siglos?
Por cuánto tiempo muere el hombre?
Qué quiere decir para siempre?”

Pablo Neruda

Pelas minhas contas, e note-se, por favor, que eu sou de letras:

Vivi uma vida quando estive em Itália, e mais mil anos de criança e parvoíce em Portugal.
São séculos de memórias de Faro, misturados com memórias várias.
Morri no primeiro desgosto de amor, nos que já perdi a conta, e no úlitmo.
Para sempre não quer dizer nada.
Mas os pais e os filhos são para sempre, os amigos são para sempre, o Erasmus é para sempre e o primeiro amor também, e os que vêm depois e os outros que vieram antes e ao mesmo tempo.
O resto eu não sei.
Só sei que vou para Barcelona.
Dia 20 de Outubro.
Vou lá trocar a bateria do meu relógio.
Relógio não, que eu não uso.
Vou pôr areia nova, quem sabe de cores, na minha ampulheta!
(Sim, eu tenho uma!
Grande coisa, temos todos.)
Porque aqui os dias começaram a repetir-se mimeticamente, estagnaram a sua passage…

Anti-dogma

Na feijoada deita-se sal, porque é o que se deita sempre na comida, ou deita-se açúcar, para cortar a acidez do refogado de tomate?

"Fim de tarde"

“Agora vou sair, só te vou poder responder no fim da tarde”
“Para mim o fim da tarde é agora…”

Agora: 5.30/6 da tarde, hora em que termina a minha interminável jornada laboral. E que vou para casa não fazer nada, porque é isso que se faz no fim da tarde…

Mas o "fim de tarde" com conotação póstuma ficou a ressoar na minha cabeça...

Decidi ir correr para o jardim. Depois de uma dor de burro transversal aos 5 minutos, conseguiu superar-me a mim própria e aguentar não 5, não 10, mas 15 minutos inteirinhos de corrida!

Hoje fui outra vez. E fui à bomba de gasolina, ao super-mercado, à farmácia, à sapataria, ao centro de estética, à padaria e ao centro de línguas.

Afinal, o “fim de tarde” é quando começa o meu dia!

O Discurso do Presidente

Eis um assunto que eu já queria ter abordado, mas não tive tempo. Porque, convenhamos, quem não apanhou a cosia do princípio, precisou de pelo menos 5 minutos para perceber do que se tratava…

E eu até tenho um curso, que embora de parca utilidade no dia a dia, me obrigou a leituras com palavras de nível avançado, tais como “holística” “mimesis” “myse en abime” “evenemencialidade” “panóptico” para não falar em semiótica, e isso foi toda uma cadeira!

Então, do meu ponto de vista (é verdade que a nota de Teoria Política não foi brilhante, mas há que ter em conta que eu escrevo discursos, statements e respostas à imprensa, e, portanto, o meu ponto de vista até tem algumas bases) um discurso tem de ter em conta o seu público.

Diz a Teoria da Comunicação assinada pelo senhor Shannon que comunicar é transmitir uma mensagem a um destinatário.
Ora, se o destinatário não tem mecanismos para decifrar a mensagem, parece-me a mim, que a comunicação não vai ser eficaz.
Retomemos a questão do público…

Talento reconhecido ou talento desperdiçado?

A história do copo meio cheio e do copo meio vazio já cheira a velha, dentro da possibilidade de odor que a água contém, claro.
Mas hoje fui confrontada com uma nova adaptação da velha história à realidade. Eu, que há meses andava convencida de que tinha um grande emprego para uma recém- licenciada em comunicação, e que respondia sempre em tom fashion e respeitável , quando me perguntavam o que fazia, descobri hoje, que afinal, posso estar a desperdiçar o meu talento atrás de uma secretária!

Na semana passada a D. Virginia foi-se embora, reformou-se!
A Dona Virgínia era a senhora da "Copa", que trazia o café, o chá e os jornais, e fazia aquelas coisas que mais ninguém tem “tempo” para fazer (como é o caso das fotocópias dos jornais).
No seu último dia de trabalho, a Dona Virgínia trouxe o melhor bolo de chocolate de sempre e isso conferiu à ocasião uma felicidade inoportuna.
Essa alegria completamente desprovida de noção de timing não durou muito, porque a Dona Virgínia faz fal…

Piquenicanices...

Imagem
"Sábado de Sol
aluguei um caminhão
p'ra levar a galera
p'ra comer feijão
chegando lá, mas que vergonha
só tinha maconha..."

Não, não havia droga! Mas com uma ou outra adaptção, esta bem que podia ser a nossa canção...



Fazer um piquenique é giro. É diferente! Eu fui adepta da ideia desde o seu rascunho. Mas depois, confesso que o termómetro na casa dos 30, o carro sem ar condicionado e o projecto concreto “Vamos para o meio do mato”, desmoronaram o meu entusiasmo inicial. Mas se a Rita tinha decidido que esta era a maneira ideal de comemorar o seu 23º aniversário, nós não podíamos faltar! Digo nós porque houve quem tivesse pulado a fase do entusiasmo inicial directamente para o abismo do esmorecimento… e não obstante, estávamos lá todas!



Quando éramos pequenas, os meus pais costumavam levar-me a mim à minha irmã e aos nossos chapéus de palha, a Alte. Adorávamos andar na ribeira ou fonte ou “água com cocós”, como diz a Carla. É mentira, a água não tem cocós! Os pés adquirem …

Problemas com postais de Aniversário? O Calvin resolve!

Imagem
Quando alguém faz anos, há sempre duas questões que se impõem: o que oferecer? o que escrever no postal?

A coisa piora quando o aniversariante em questão é um dos membros do clã paternal.

Porque com todas as outras pessoas, ainda se pode escrever umas coisas íntimas, oferecer umas coisas perversas, agora à mãe não se vai dar umas cuequinhas comestíveis!
Eu no outro dia disse-lhe para ela não se preocupar com o meu futuro que caso todos os meus planos falhassem, havia sempre anúncios na net a dizer - "Bailarinas exóticas (não é prostituição) 4.000€ e contacto constante da agência com a família" -e ela já nem a isto achou piada!
Escrever que são os melhores do mundo e que gostamos muito deles é mais cliché que jantar a dois no dia dos namorados!
E depois é preciso ter extremo cuidado com alusões à quantidade de anos que já passaram, para prevenir depressões!

Felizmente descobri este cartoon. É sobre o dia da mãe mas aplica-se na perfeição a esta problemática.


(clicar na imagem para …