Mensagens

A mostrar mensagens de Outubro, 2008

"És a raiiinha da noite..."

Imagem
A Neuza foi passar o fim-de-semana a San Sebastián e eu e a Rita ficámos sozinhas em casa. Sozinhas salvo seja, o Poltas (o nosso poltergeist de estimação para quem não sabe) esteve sempre connosco!

Sexta à noite decidimos fazer uma exploração pelo nosso bloco, porque no Google Earth pululam copinhos de coktail no nosso bairro. O que os copinhos de coktail não dizem é que são bares que já estão fechados, que nem sequer são bares, que as pessoas à porta são duvidosas e que o bar da esquina é de salsa e imigrantes clandestinos quarentões da América do Sul.

Nós fomos mais além dos copinhos de cocktail e descobrimos a paragem do nit bus, o restaurante take away e o restaurante de tapas, o bar das bebidas 2 por 1 all night long, o bar das cervejas a 1€ e dos chupitos a 2€ e a discoteca Mary’s Place, indicada pelos locais. Lançámos o charminho das expatriadas ao segurança e entrámos de graça, furando a fila. E em pouco tempo já estávamos na zona vip, com um carimbo preto numa mão e uma bebid…

O mistério desvendado

Imagem
Há fenómenos estranhos a sucederem no 1ª 3 do Nº 84 da Calle de Mallorca: objectos que desaparecem e reaparecem arrumados, raios de luzes que passam pelo corredor e a Neuza que no outro dia fez o almoço e estava mesmo mesmo mesmo bom.
Mas pensamos já ter descoberto uma explicação lógica e racional – temos um poltergeist de estimação cá em casa.
Óptimo! Quem sabe assim a Rita desiste da ideia da tartaruga de terra na marquise….

Esta semana fomos comer tapas. Bem, na verdade, pensávamos que íamos comer tapas mas, em vez disso, entrámos num corredor de papos secos produzidos em cadeia a preço económico e comidos em pé com os guardanapos deitados para o chão ( hábito que irrita profundamente a Neuza). Acabámos por encontrar um restaurante de tapas não concebido para turistas, porque nós não somos turistas, com um balcão gigante cheio de tapas, até havi pasteis de bacalhau! As patatas bravas pareciam malaguetas e o camarero, “por casualidad” como enfatizou a Neuza, fazia anos e decidiu o…

La Casa

Imagem
Se me pedissem para desenhar a minha nova casa eu não saberia, primeiro, porque ainda não tive tempo de a observar desde o outro lado da rua, é que à porta a elevada inclinação vertical não permite grandes visualizações, e depois, porque eu também não conseguia desenhar uma árvore, mesmo se quisesse muito.

Vou tentar então uma descrição literária:

Tudo começa no Nº84 da Calle de Mallorca, mas sim, estamos em Barcelona, perto do centro e em frente à Clínica da Corporación Dermostética. A Sagrada Família também fica na nossa rua mas deve ser pelo Nº500 o que significa uma caminhada de pelo menos 45 minutos. Felizmente em Barcelona há sempre um metro onde é preciso. Além do metro, encontram-se nas nossas ruas paralelas variados restaurantes italianos, cafés, “hornos” (padaria em tuga) e até um restaurante japonês.

Ao lado do número 84 estão os senhores marroquinos, que são os chineses cá da zona, e do outro lado há também um supermercado e uma loja de roupa e acessórios para bebé. Assim,…

Crema a Catalana

Imagem
Assim se chamaria o meu novo blog, onde, de regresso à vida de estudante e à vida fora das fronteiras lusas, contaria o novo dia-dia na cidade menos espanhola de toda a Espanha.

Mas entretanto perguntaram-me "Mudar de blog porquê? Acabou-se a Dolce Vita?"

Não respondi... Alterei algumas definições, pus novas imagens, substituí o italiano pelo catalão.

Então assim já posso responder:

Não, não acabou, ainda agora começou!

BIENVENIDOS TODOS!!!

Ia dormir, mas não me contive

Como acontece frequentemente, antes de me recolher ao meu leito - estilo japonês - faço uma incursão pelo site do IM (instituto de meteorologia) com o intuito de prever a roupa que vou usar no dia seguinte, de forma a evitar atrasos por tempo excessivo passado diante do armário - estilo comprido, de madeira.

Qual não é a minha surpresa quando me salta uma figura falante! Mas até aqui tudo bem, acho óptimo esta criação de proximidade com o interlocutor do outro lado do interface. O problema é que a figura falante se apresenta como “Porfessor Salpico” o que já de si me faz lembrar salpicão e portanto me parece mais adequado a uma banca de enchidos do que ao site da meteorologia. Mas isso sou eu, que tenho o centro de gravidade no estômago. Consideremos que salpico é em homenagem ao fenómeno da precipitação e foi escolhido em detrimento de "Professor Gota", porque "Gota" dava um ar muito “metro” e toda a gente sabe que o tempo é uma coisa à moda antiga.

Passemos então a…

Gostos não se discutem

Gosto dos italianos, porque falam com as mãos
Sabem que as palavras não cabem em si.
E gosto das bailarinas, porque riem com as pontas dos pés
Num grand-plié ou num demi.

Gosto dos olhos que sabem cantar,
Ficam sempre bem com os lábios que sabem ouvir.
Gosto dos quadros que nos vêm beijar,
Dos palcos que nos obrigam a subir,
Do silêncio que nos faz sonhar,
E das fotografias que não nos deixam partir.

Mas o que eu gosto mais é de escrever poemas,
Assim:
Sem linhas nem margens.

Porque em mim,
Dá a poesia corda
A todas as outras linguagens.

A última sexta-feira

Durante a próxima semana espero que ninguém me pergunte o que faço da vida. Porque não faço nada. Ainda não voltei a ser estudante mas também já não posso dizer, de boca cheia, trabalho no departamento de Comunicação daquele Grupo. Agora, na verdade, estou desempregada…

Segunda-feira a semana está sempre longe de acabar. Mas depois passa rápido. Esta Sexta não chegou mais depressa nem mais devagar do que as outras. Mas eu não a queria tanto como às outras. Porque esta era a última. E eu sabia que ia chorar.

Levei um bolo de brigadeiro para tentar amenizar a despedida. Afinal, não foi propriamente uma vida de trabalho... Foi quase um ano e não foi mais porque eu não quis. Convidaram, insistiram, mas eu queria outra coisa. O Senhor Santos disse que eu era muito corajosa de ir embora assim, não obstante ser uma pena. Disseram que iam ter saudades, que me desejavam toda a felicidade, que tinham adorado trabalhar comigo, que ia deixar corações aprtidos e que o bolo era muito bom, muito bom …

Napoli a Lisbona

Imagem
Nápoles veio a Lisboa. Foi visível para qualquer pessoa que tenha saído à rua na passada quinta-feira. Cachecóis azul bebé, rostos de feições robustas, pele morena, tatuagens nos braços, roupa à “la italiana”. Nem precisavam abrir a boca e as pessoas já os olhavam com um misto de curiosidade e receio. Serão todos mafiosos? Se o Benfica ganhar vão agredir-nos e partir-nos o estádio todo?
Eu tive a oportunidade exclusiva de observar a espécie mais de perto. “Tu tem cuidado que os napolitanos são perigosos” “Não, não, o meu amigo não é desses, ele é civilizado”. Pensando agora nestas palavras só me posso rir. Não é que o meu amigo não seja civilizado (ele até fez o esforço de comer a pizza com talheres no restaurante, embora sob algumas reclamações em prol da identidade cultural de comer pizza à mão), os outros napolitanos é que não são nenhum gang de vândalos separatista, não obstante toda a problemática do crime organizado e as inerentes particularidades da 2ª cidade de Maradona.



Mas est…

A magia do cinema europeu

Imagem
Na Segunda à noite dirigi-me aos cinemas do Alvaláxia para a sessão das 21 (e 25). Deixei a minha residência por volta das 20.50. Se na apoteose da hora de ponta matinal 30/45min chegam para alcançar o meu local de trabalho (com vista para o estádio de Alvalade) achei que ia com tempo de sobra. E ia, mas não que chegasse para a fila à entrada do Campo Grande. Estava muito pior do que na tal apoteose da hora de ponta matinal. Mas que raio... Será que justamente hoje toda a gente decidiu ir á sessão das 9 do Alvaláxia? De certeza que foi um acidente... (oh! Mas a certeza é uma coisa tão dúbia)!

O que quer que fosse estava a paralisar o meu veículo no mesmo “spot” (os estrangeirismos dão pinta) há já 10 minutos. Entretanto, pessoa acompanhante à porta do cinema, com os bilhetes comprados e, para seu grande desagarado, kizomba a passar no som ambiente.

Para incutir mais realismo, imaginem que eu estava tão parada que até conseguia fazer telefonemas e enviar mensagens de telemóvel, tarefas…