"Monerias"

Tenho um professor feio e mau. Daqueles que intimidam as intervenções mais espontâneas porque nos fuzila sem piedade se uma sílaba do nosso raciocínio estiver fora de tom. E com a mesma falta de misericórdia, faz com que toda a gente se ria do que dissemos.

Daqueles que se movem impacientemente, meio corcunda, cabelo desgrenhado, mãos hiperactivas, palavrões, gritos, giz pelos ares.
Tem-nos ali, na palma da mão durante duas horas, para depois nos dizer que o problema foi falta de inspiração. Desculpe, caro professor, falta de inspiração era o problema da JK Rowling antes de escrever o Harry Potter, não o problema passível de apresentar ao presidente de uma das 50 marcas mais fortes do mundo!

Toda a gente diz que ele é um tonto, um idiota. Toda a gente o adora.
É um show man dos módulos de habilidades práticas do Director de Comunicação!

Na apresentação de casos desta semana, superou-se a si mesmo: elogiou-nos!
“Foi espectacular! As melhores apresentações que já vi em 9 anos de ensino!”
Não era possível acreditar, ele tinha gostado das nossas cartolinas pegadas ao quadro com palavras por completar que saíam da audiência, cada uma com um número, como se fosse o bingo!

Mas no regozijo da vitória, veio aquela onda inesperada que nos enrola e nos leva o biquíni: “Cuidado com as monerias, têm que pensar no público-alvo, as monerias são muito giras, eu adorei, mas na maioria das vezes não funcionam ”.

Lá estava a ele a fazer o que melhor sabe: dizer-nos como falhámos outra vez, como somos ingénuos e inexperientes, como não percebemos nada de segmentação e concorrência.

Mas eu vou-vos dizer uma coisa, para as apresentações da próxima semana estamos a preparar uma revolução! Algo que o vai deixar ainda mais boquiaberto e fazer o “jooooder” de espanto soar ainda mais alto!

Vai ser espectacular e vai ser o melhor que ele já viu em nove anos.
Mas desta vez não haverá monerias nenhumas!
(O que quer que isso seja…)

Comentários

Camila Ciberi disse…
E como foi a tal da apresentação afinal?

Mensagens populares deste blogue

A economia do romantismo

Tropa de Elite baseada em Foucault

Em direto de um país que, agora mesmo, não se sabe bem qual é...