Um fim de ano especial, com festa no Palácio Real!

2018: dia 3.
Continua tudo igual, não ganhei a lotaria de ano novo, nem a de Natal, basicamente porque também não joguei.
Estou constipada, o que é sempre chato, mas começar o ano empapada em tosse e ranho é especialmente pessimista. Ainda assim, estou feliz e agradeço a Deus que o constipado só tenha atacado depois da noite de 31 de Dezembro (e muito provavelmente por causa dela), permitindo-me aproveitar o meu réveillon em Itália à grande, como a ocasião merecia.
Adoro Barcelona, mas quando já conhecemos a cidade de fio a pavio, também cansa. Por isso, e pela inundação de turistas bêbados que aqui aterram com esta quadra, não queria absolutamente passar outro fim de ano na cidade Condal, queria fazer algo especial, ou diferente vá, algo diferente já me faria contente.
Fiz as malas e pirei-me para Itália a 31 de Dezembro, pode-se dizer que passei o último dia do ano nas nuvens... 
Disseram-me que íamos a uma festa num castelo. Mentiram-me. Era um autêntico palácio! 
Chamava-se Reggia de Venaria, no original italiano, Palácio de Venaria em vulgo português, antiga residência da família real de Savoy e património da UNESCO.
Era de noite, e por isso não vos posso contar detalhadamente como é o Palácio por fora, intuo que grande e com jardins, mas deixo aqui algumas fotos raptadas ao querido do Google, só para termos certeza. 




Lembro-me que havia uma rena gigante luminosa no centro de um jardim, sobre a qual arrisco dizer (sem qualquer certeza) que estava no “Cour d’honneur”, onde, de acordo com a Wikipedia, havia antigamente uma fonte com um veado.
Por dentro, posso dizer-vos que o palácio é grande o suficiente para albergar 3 estações de guarda-roupa para deixar os casacos, e que todos os passeios e galerias que percorremos até chegarmos à galeria que albergava o jantar, contam como um workout.
Os tetos gigantes armados em cúpula, as escadarias imperiais, o espaço amplio e frio, porque se Turim já não fica nas Bahamas, agora imaginem o Inverno dentro de um Palácio de pedra.

A mesa posta com primor numa galeria em que contrastavam a escuridão de um jatar imperial a velas, durante o Renascimento, com a tecnologia audiovisual projetada nas paredes, que nos envolviam nas pinturas de Caravaggio. Descobrimos que o jantar se chamava “experiência Caravaggio” e que por muito bonitos que fossem os quadros do senhor, talvez não fosse o melhor ambiente para um jantar de fim de ano, não só porque a música que os acompanhava era melancólica e taciturna, capaz de embalar qualquer sofredor de insónia, mas porque a um certo ponto nos “saltou” em cima uma pintura com uma pessoa a ser degolada. Isto, no seguimento de um quadro que nos dava a arrepiante sensação de estar a afundar com o Titanic, numa noite de tempestade.  Já era quase meia noite e uma degolação não estava contemplada nos nossos desejos para acompanhar as badaladas de champanhe. Badaladas que, para descontentamento geral, a tecnologia audiovisual não mostrou nas paredes, pelo que tivemos que improvisar a contagem decrescente nos telemóveis, brindando assim a meia-noite, talvez um minuto antes, talvez um minuto depois, sob o olhar atento das obras primas de Caravaggio, em perspectiva.      

A festa correu muito melhor do que o jantar, sem querer desmerecer a decoração, o pintor nem a projeção, que estavam ótimos, e com certeza teriam sido muito mais apropriados se de um funeral se tratasse. A comida era de catering e, portanto, não tendo estado má, também não mereceu elogios. Era farta, isso sim, serviram alguns 10 pratos, que era preciso empatar tempo das 9 à meia-noite.
Depois de outro workout para chegar à galeria onde se desenrolava a festa em si, com Dj, bar e essas coisas menos Renascentistas, encontrámos uma porta delineada por duas cortinas vermelhas de veludo e, como se estivéssemos mesmo dentro de um filme de época, avançámos por uma galeria imensa e sumptuosa, num misto de curiosidade e deslumbre. Já estive em muitas festas e eventos, mas nunca nenhuma num espaço tão majestoso e espetacular como este.
Tinham-nos guardado uma mesa com sofá e deixaram-nos dançar no palco, onde a vista se perdia na imensidão da sala, pomposa e vibrante, com centenas de pessoas tão maravilhadas como nós. A experiência jantar Caravaggio foi riquíssima, sem dúvida, mas a experiência festa num Palácio real em Itália, com direito a zona vip e bebidas grátis, foi uma num milhão.

Bella, muito bella mesmo, uma pena que não houvesse DJ’s nem focos de luz no tempo das princesas que viveram ali, porque a passagem de ano de 1700 poderia ter sido épica, como a nossa!      








Comentários

Mensagens populares deste blogue

A economia do romantismo

Em direto de um país que, agora mesmo, não se sabe bem qual é...

Viva a greve!